quinta-feira, 22 de setembro de 2016

FEICITI - Um mundo de Ciência e Tecnologia em Igarapé-Miri

Está ocorrendo nas dependências do Instituto Sant'Ana a FEICITI (Feira de Ciência e Tecnologia de Igarapé-Miri). A mesma vai até  na sexta (23), onde inúmeros projetos estão sendo exibidos por seus idealizadores vindos de vários lugares.
De acordo com os expositores, a feira tem sido bastante visitada e o que é melhor todos os temas expostos é de importante interesse aos visitantes.
O Jornal Sementes está registrando alguns momentos da FEICITI e aqui coloca ao seu dispor as imagens.





Várias escolas visitando os stands






A monitora expõe e o alunos ouvem com interesse


A piramide alimentar um stand bastante visitado


Expositores de uma escola de Moju falam sobre a púrpura

As dependências do INSA permanece lotado durante a exposição



A recepção por parte dos expositores é especial

A participação dos alunos abrilhanta a FEICITI




Uma máquina que produz choque elétrico

Inovações na área tecnológica chama atenção


Astronomia presente

Um quiosque bastante visitado é o do Anima Lendas

Elza e Márcia expõe sobre o cotidiano das mulheres usuárias de drogas em Igarapé-Miri

sábado, 10 de setembro de 2016

FIQUE POR DENTRO DAS ELEIÇÕES

Resultado de imagem para eleições 2016

De forma voluntária, doadores podem informar à Justiça Eleitoral financiamento de campanhas

 Doadores e fornecedores de bens e serviços podem participar ativamente do processo de fiscalização do financiamento de campanha nas Eleições Municipais 2016. Por meio de formulário eletrônico disponível no Portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), doadores e fornecedores poderão informar as doações e os bens prestados a partidos e candidatos durante o pleito. O objetivo é confrontar as informações declaradas nas prestações de contas eleitorais com as prestadas pelos doadores e fornecedores.
Para registrar a informação, doadores e fornecedores necessitam apenas efetuar um cadastro prévio no próprio site do TSE. Conforme explica o assessor-chefe da Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias (Asepa) do Tribunal, Eron Pessoa, no formulário, o doador ou fornecedor de bens e serviços faz um pequeno cadastro, parecido com um cadastro de e-mail, informando apenas dados pessoais e a quantia doada ou o bem ou serviço prestado a determinado candidato.
“E há uma opção também, no caso da pessoa física, de fazer um pequeno cadastro e informar que não fez nenhuma doação para campanha. Esse é um indício forte de que, se aquele CPF for utilizado por algum candidato, é uma declaração falsa do candidato, uma vez que a própria pessoa já disse à Justiça Eleitoral que não efetuou nenhuma doação de campanha”, completa Eron Pessoa.
Clique aqui para mais informações sobre como informar doações à Justiça Eleitoral.
(http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-2016/prestacao-de-contas/cadastro-para-informacoes-de-campanha)
LC/TC




Saiba como calcular os quocientes eleitoral e partidário nas Eleições 2016

 
Em outubro deste ano, os eleitores de 5.568 municípios brasileiros elegerão novos prefeitos e vereadores. No caso da eleição para vereador, que adota o sistema eleitoral proporcional, as vagas das Câmaras Municipais serão distribuídas em proporção aos votos obtidos pelos partidos ou coligações e preenchidas pelos candidatos mais votados da lista da legenda ou coligação, até o limite das vagas obtidas. O preenchimento das vagas é feito segundo o cálculo dos Quocientes Eleitoral (QE) e Partidário (QP) e distribuição das sobras. Mas você sabe como são feitos esses cálculos?
Antes de aprender como calcular o QE e o QP, é preciso destacar que, na eleição proporcional no Brasil, é o partido/coligação que recebe as vagas, e não o candidato. Isso significa que, nesse tipo de pleito, o eleitor, ao votar, estará escolhendo ser representado por determinado partido e, preferencialmente, pelo candidato por ele escolhido. Em resumo, o voto do eleitor na eleição proporcional brasileira indicará quantas vagas determinado partido/coligação vai ter direito. Cabe ressaltar que, mesmo que um candidato tenha votação expressiva, se o partido/coligação não ganhar vaga, tal candidato pode não ser eleito.
A partir daí, os candidatos mais votados poderão preencher as cadeiras recebidas pelos partidos/coligações, conforme a sua colocação. Esse aspecto é o que diferencia o sistema eleitoral proporcional brasileiro do adotado em outros países. No Brasil, quem faz a lista de classificação dos candidatos (ordem de colocação) é o eleitor, por meio do seu voto, isto é, o candidato que obtiver o maior número de votos dentro de determinado partido/coligação ficará em primeiro lugar na lista. É o que chamamos de lista aberta.
As regras para aplicação dos cálculos do QE e QP e para a distribuição das sobras nas Eleições 2016 estão previstas naResolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 23.456/2015, que dispõe sobre atos preparatórios do pleito.
Como se calcula o número de vagas por partido?
Conforme o art. 147 da resolução, “Determina-se o quociente eleitoral dividindo-se o número de votos válidos apurados pelo número de lugares a preencher, desprezando-se a fração, se igual ou inferior a meio, ou arredondando-se para um, se superior”. Isso significa que:
QE = nº de votos válidos da eleição/ nº de lugares a preencher
Na eleição para a Câmara dos Deputados, o número de votos válidos será dividido pelas 513 cadeiras disponíveis. Já nas eleições estaduais e municipais, o cálculo depende do número de cadeiras de cada Assembleia Legislativa e de cada Câmara Municipal.
Para exemplificar, vamos supor que o número de votos válidos apurados em um pleito de determinado município seja 1.000, e que existam 10 cadeiras a preencher na respectiva Câmara Municipal. Neste caso, o cálculo será o seguinte:
Nº de votos válidos = 1.000 / nº de vagas a preencher = 10, então QE = 100
De posse do Quociente Eleitoral, é necessário calcular o chamado Quociente Partidário. Segundo o art. 148 da Resolução TSE nº 23.456/2015, “Determina-se, para cada partido político ou coligação, o quociente partidário dividindo-se pelo quociente eleitoral o número de votos válidos dados sob a mesma legenda ou coligação, desprezada a fração”. Ou seja:
QP = nº votos válidos recebidos pelo partido ou coligação / QE
Exemplo: se no mesmo pleito o partido recebeu 200 votos válidos, o cálculo será o seguinte:
Nº de votos válidos recebidos pelo partido = 200 / QE = 100, então QP = 2
Após os dois cálculos, é possível concluir que o partido terá direito a duas vagas naquela Câmara Municipal, que deverão ser distribuídas entre os seus dois candidatos mais bem colocados.
Cláusula de barreira
Nestas eleições, a distribuição das vagas entre os candidatos mais bem votados deve considerar uma novidade implementada a partir da Lei n° 13.165/2015: a chamada cláusula de barreira. Segundo a nova regra (art. 148, parágrafo único da Resolução TSE nº 23.456/2015), “Estarão eleitos, entre os candidatos registrados por um partido ou coligação que tenham obtido votos em número igual ou superior a dez por cento do quociente eleitoral, tantos quantos o respectivo quociente partidário indicar, na ordem da votação nominal que cada um tenha recebido”.
Entre as consequências dessa inovação estão as seguintes: 1) Um candidato não será eleito se o total de votos recebidos não corresponder a, pelo menos, 10% do QE; e 2) Candidatos que tenham recebido poucos votos somente serão beneficiados pelos chamados “puxadores de voto” se seus votos tiverem alcançado os 10% do QE.
Continuando com o mesmo exemplo, vamos supor que o primeiro candidato da lista do partido tenha recebido 11 votos e, o segundo, nove votos. Vale lembrar que, para ser eleito, o candidato deve estar colocado dentro das vagas disponíveis para o partido (neste caso, duas vagas), e o número de votos obtidos por ele deve corresponder a, pelo menos, 10% do QE (que foi de 100).
Nessa situação hipotética, apenas o primeiro da lista do partido será eleito, já que os votos recebidos pelo segundo não alcançam 10% do total do QE (que seriam 10 votos). Dessa forma, apesar de o partido ter direito a duas vagas, apenas uma será preenchida por candidatos daquela legenda.
Cálculo das sobras
Em uma eleição proporcional, é possível que, após a distribuição das vagas entre os partidos, restem cadeiras para serem preenchidas, as chamadas “sobras”. Estas serão distribuídas por um cálculo conhecido como “Média”. Porém, somente disputarão as sobras os partidos que tiverem Quociente Partidário maior que 1.
Veja o exemplo a seguir para a eleição de determinada Câmara Municipal, na qual existam 10 cadeiras para ser preenchidas e quatro partidos na disputa:

Partido 1 – obteve 200 votos - QP = (200/100) = 2,0 → ele terá direito a 1 vaga
OBS: Levando em consideração o exemplo acima, mesmo tendo o partido direito a duas vagas pelo cálculo do QP, apenas um candidato teria votação correspondente a mais de 10% do QE. Assim, a outra vaga não pode ser preenchida.
 Partido 2 – obteve 140 votos - QP = (140/100) = 1,4 → ele terá direito a 1 vaga
 Partido 3 – obteve 350 votos - QP = (350/100) = 3,5 → ele terá direito a 3 vagas
 Partido 4 – obteve 310 votos - QP = (310/100) = 3,1 → ele terá direito a 3 vagas
Total de vagas obtidas pelos partidos/coligações = 8
Conclusão: Sobraram 2 vagas que, por sua vez, deverão ser distribuídas por média.
1 vaga pelo desprezo das frações no cálculo do QP
1 vaga do Partido 1 devido à cláusula de barreira
A distribuição destas vagas que sobraram será feita conforme o art. 149 da resolução. Segundo o dispositivo, os lugares não preenchidos com a aplicação do QP e a exigência de votação nominal mínima serão distribuídos por média.
O cálculo será feito da seguinte forma: o número de votos válidos atribuídos a cada partido político/coligação será dividido pelo valor do quociente partidário somado às vagas obtidas por média mais um, cabendo à legenda ou à coligação “que apresentar a maior média um dos lugares a preencher, desde que tenha candidato que atenda à exigência de votação nominal mínima”. Isto é:
Média = votos válidos recebidos pelo partido /(vagas obtidas por QP + vagas obtidas por média) + 1
Então, seguindo com o nosso exemplo, vamos ao cálculo das médias:

Partido 1 – obteve 200 votos/2 vagas obtidas por QP + 0 vagas obtidas por média + 1 = 33,33
Partido 2 – obteve 140 votos/1 vaga obtida por QP + 0 vagas obtidas por média + 1= 70
Partido 3 – obteve 350 votos/3 vagas obtidas por QP + 0 vagas obtidas por média = 87,5 *
Partido 4 – obteve 310 votos/3 vagas obtidas por QP + 0 vagas obtidas por média = 77,5
A primeira vaga das sobras foi distribuída para o Partido 3, que obteve a maior média e possui candidato com votação mínima para ser eleito.

De acordo com a legislação, a primeira vaga das sobras será destinada ao partido/coligação que obtiver a maior média, conforme exemplo acima. Caso sobre uma segunda vaga, deverá ser feito novo cálculo, mantendo-se o mesmo dividendo e incluindo no divisor do partido que ganhou a primeira vaga mais uma vaga (a da primeira sobra). Em resumo, este novo cálculo será:

Partido 1 – obteve 200 votos/2 vagas obtidas por QP + 0 vagas obtidas por média + 1 = 33,33
Partido 2 – obteve 140 votos/1 vaga obtida por QP + 0 vagas obtidas por média + 1 = 70
Partido 3 – obteve 350 votos/3 vagas obtidas por QP + 1 vaga obtida por média + 1= 70
Partido 4 – obteve 310 votos/3 vagas obtidas por QP + 0 vagas obtidas por média + 1 = 77,5 *
A segunda vaga das sobras foi distribuída para o Partido 4, que obteve a maior média na segunda execução do cálculo da média e possui candidato com votação mínima.
Esta operação será repetida quantas vezes forem necessárias até o preenchimento de todas as vagas. Entretanto, de acordo com o inciso III do art. 149 da resolução, quando não houver mais partidos ou coligações com candidatos cujos votos tenham atingido, ao menos, 10% do QE, “as cadeiras serão distribuídas aos partidos que apresentem as maiores médias”.
Saiba mais na Resolução TSE n° 23.456/2015.
LC/TC

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Receita caseira destrói verrugas, acnes e manchas

Receita caseira destrói verrugas, acnes e manchas (Foto: Reprodução)
Um receita caseira, totalmente natural, pode servir como um verdadeiro limpador de peles. Ela elimina furúnculos, cistos sebáceos, unhas encravadas, verrugas, acnes, manchas, cicatrizes etc. E tudo isso com basicamente dois ingredientes.

Aprenda a receita: 

- Rale 1 inhame japonês, um pouco de gengibre e faça uma pastinha (o inhame deve ser ralado na parte mais fina do ralador e em quantidade suficiente para cobrir a área afetada. O gengibre deve ser ralado com casca). Deve ser usada uma parte de gengibre para dez de inhame.

- Misture tudo com qualquer farinha (como trigo), só para dar liga.

- A pasta deve ficar bem úmida.
Modo de usar:
- Aplique a pasta sobre a pele, cubra com gaze ou outro paninho fino, nunca com plástico ou material sintético.

- Em algumas horas, a pasta seca; retire com água morna.

- Às vezes o inhame pinica, ou coça, por conter muitos cristais de ácido oxálico. Isso acontece esporadicamente. Nesse caso, passe azeite ou óleo na pele antes de colocar a gaze; a gordura neutraliza o incômodo.

- No rosto, você passa antes de dormir e sem cobrir com gaze. Basta passar com um pincel ou espalhar levemente com os dedos.

- Deixe 30 minutos.

- Enxague bem.

- Se usar todos os dias, a pele ficará limpa e lisinha. Mas a receita não substitui consulta com médico especialista.
Fonte:http://www.diarioonline.com.br/

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

MILHARES DE PESSOAS RETORNAM DAS FÉRIAS EM IGARAPÉ-MIRI

Hoje durante o dia houve grande movimento nas agências de passagens em Igarapé-Miri, pois uma grande quantidade de pessoas retornaram do período de férias (mês de julho).
Igarapé-Miri que durante o mês de julho entre outras programações teve a presença da cantora gospel Fernanda Brum no dia 9 e de 15 a 26 festa anual de Sant'Ana (católico) e ainda nos dias 28 a 30 o Congresso de Missões na Vila Maiauatá. Portanto uma variedade de programações e atrações trouxeram para nosso município milhares de pessoas de Belém e de outros lugares e que a partir de hoje iniciaram seu retornos as suas localidades de origem.






sexta-feira, 8 de julho de 2016

Golpe no Facebook faz 10 mil vítimas baixarem vírus em dois

O ataque de phishing se propaga através de notificações de marcações em comentários de amigos na rede social
Um novo vírus que se espalha pelo Facebook infectou mais de 10 mil pessoas dois dias após ter sido lançado, no final de junho, a maior parte delas no Brasil e outros países da América Latina. Segundo a Kaspersky Antivirus, o ataque de phishing se propaga através de notificações de marcações em comentários de amigos na rede social, instalando versões infectadas do Chrome em computadores com Windows e extensões que bloqueiam a conexão com sites de segurança.

Já o segundo estágio começa após o login, no qual a sessão da rede social era controlada em background e um novo arquivo baixado para mudar as configurações de privacidade na rede social, extrair dados da conta e manipulá-la para outras atividades, como roubo de identidade, engajamento fraudulento com conteúdos e transformando o perfil em um disseminador do malware  — replicando o post com o link para baixar o vírus no computador no feed da vítima.Segundo a Kaspersky Lab, o processo de infecção acontecia em dois estágios. O primeiro deles iniciava no momento em que o usuário clica na notificação. Neste instante, um arquivo malicioso encerrava o navegador, instalando uma versão maliciosa que abria uma página que imita o login do Facebook para fazer com que a vítima forneça suas credenciais de acesso (login e senha).
Brasil é o país mais afetado
Os dados da Kaspersky Lab mostraram que o Brasil foi o país mais afetado pelo ataque de phishing, com 37% das ocorrências. Em seguida estão Polônia, Peru, Colômbia, México, Equador, Grécia, Portugal, Tunísia, Venezuela, Alemanha e Israel, sendo este último o país onde a origem do problema foi detectada.
O ataque foi desenvolvido para funcionar apenas em computadores e notebooks que usam o Windows. Portanto, dispositivos como smartphones e tablets não correm o risco de serem infectados. A exceção seriam telefones com Windows Phone, que podem ser contaminados em raras oportunidades.
Segundo a  Kaspersky Lab, o phishing funciona graças a uma falha no Facebook sobre a qual a rede social já teria sido informada e corrigido. Este tipo de ataque é diferente de outros semelhantes, pois não envolve nenhum texto suspeito, apenas uma notificação que infecta o computador automaticamente.
A recomendação para os usuários que foram vítimas do ataque é conferir a lista de extensões do Chrome e apagar aquelas que não usa ou não se lembra de ter instalado. Este golpe em particular instala um plugin chamado thnudoaitawxjvuGB, que permite o controle da conta do Facebook e bloqueia o acesso a sites de segurança e antivírus.
Como saber se fui infectado?
Alguns sinais de infecção, além da notificação na rede social, são um súbito encerramento do navegador que, ao ser reinicializado, não é reconhecido como o padrão, além da instalação da nova extensão.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Verão: tempo de exercícios e cuidar do corpo

Verão: tempo de exercícios e cuidar do corpo  (Foto: Wagner Almeida/Diário do Pará)
Além das ginásticas usuais, os frequentadores das academias tem outras opções de atividades, como a dança. (Foto: Wagner Almeida/Diário do Pará)
Julho é o mês “oficial” do verão paraense, e este ano ele chegou com força total. Para enfrentar as altas temperaturas muita gente continua a sua rotina de exercícios físicos aliada a uma boa alimentação e hidratação.
As academias lotam neste período e os consultórios médicos também, pois há quem aproveite a folga das férias para realizar checkups.
Musculação, dança, corridas, aulas de lutas, aulas de hidroginástica, natação e até mesmo leves caminhadas são realizadas por aqueles que não querem perder o ritmo e o foco durante o verão.
A temporada também exige uma boa alimentação, o aumento do consumo de frutas e a ingestão de bastante líquido para que uma desidratação não seja ocasionada e a resistência física esteja prepara para as fortes ondas de calor. Por isso é importante ter o acompanhamento de um profissional da área.
A bancária Lenilse Santos do Nascimento, 49 anos diz manter a prática regular de exercícios físicos, além de corridas durante os fins de semana e é rígida com a alimentação. “Faço exercício físico em média cinco vezes por semana, além de correr nos finais de semana, logo que acordo bebo  300 ml de água gelada com limão e durante o dia bebo muito líquido, entre água e suco natural, procuro não comer fritura, me alimento de 3h em 3h e mantenho uma alimentação saudável. O período de calor exige isso de cada um de nós, por isso não saio do foco”, disse Lenilse Nascimento.
O tempo livre que muitas pessoas têm em julho é o ideal para praticar atividades físicas e cuidar da saúde. (Foto: Wagner Almeida/Diário do Pará)
O advogado Renato Menezes diz conta que durante a semana se alimenta regularmente e ingere bastante líquido. Amante da prática do Jiu-Jitsu ele também faz musculação de forma alternada durante a semana. “Procuro manter o foco na boa alimentação durante  a semana não fujo dos treinos de musculação pelo menos três vezes por semana e do Jiu-Jitsu todos os dias. Corto o sal ao máximo da minha comida e opto por alimentos que vão me ajudar a desempenhar um bom treino. Líquido sempre, pois com esse forte calor é mais do que necessário”, disse Renato Menezes.
As academias oferecem opções de atividades para os seus clientes se exercitarem de forma que a sua prática seja também um momento de lazer. Muitas academias já investem em aulas diferenciadas e temáticas durante o mês de julho para que as pessoas se sintam mais motivadas e não deixe de lado a saúde e o bem estar.
ALIMENTOS
Além da rotina de exercícios, uma alientação saudável é muito importante para cuidar do corpo. (Foto: reprodução)
O verão pede uma alimentação leve, por isso, pratos gordurosos, com carnes gordas, bacon, molhos à base de maionese e creme de leite, queijos amarelos e frituras devem ser evitados.
Alimentos ricos em proteínas e fibras como saladas, ovos cozidos, frango magro, grãos, sementes, sanduíches light, sucos naturais, saladas de frutas, legumes grelhados devem fazer parte da rotina. A ingestão de água durante o dia também é muito importante.
(Luana Taveira/DOL)

sexta-feira, 27 de maio de 2016

O que você come?

 O que você come? (Foto: Divulgação)

Ontem foi celebrado em todo o mundo, incluindo o Brasil, o Food Revolution Day (Dia da Revolução Alimentar). O movimento foi criado pelo chef inglês Jamie Oliver, na busca por incentivar as pessoas a descobrir o prazer de cozinhar e como isso pode reconectá-las às outras pessoas. Mais do que isso, ele conta com chefs e nutricionistas do mundo todo para capacitar e inspirar mundialmente todas as pessoas a selecionarem melhor seus alimentos para que entendam que uma vida mais longa e melhor depende de novos hábitos. Oliver deu inicio a uma abaixo-assinado com meta de 3 milhões de apoiadores para pressionar o G20 a garantir alimentação saudável nas escolas. Até o fechamento desta matéria, a contagem na página da campanha estava em 665.310 assinaturas.

“Em um mundo onde 42 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade está acima do peso, enquanto outro 159 milhões estão muito subnutridas para crescer adequadamente, algo deve mudar. Tenho feito campanha por uma melhor alimentação e nutrição por mais de 15 anos e nunca estive mais preocupado com o estado de saúde global das crianças, mas também estou absolutamente certo que podemos reverter a maré”, afirmou Jamie em sua convocatória para mais um edição do Food Revolution Day.
Jamie Oliver trabalha para mudar hábitos alimentares nas escolas. (Foto: Divulgação)
A paraense Katti Mittchellini conta que foi justamente ao ver o filho, ainda tão jovem, sofrer com as consequências dessa alimentação inadequada que teve a ideia de abrir em Belém a loja Farta Colheita, especializada no comércio de produtos naturais e orgânicos, que realizou esta semana o 1º Simpósio de Alimentos Orgânicos na cidade. “Sou representante comercial há 15 anos e há 5 meu filho teve problemas por causa do consumo de frango. O pediatra mandou suspender e eu fiquei enlouquecida atrás de algo mais saudável”.
Katti descobriu uma marca de frango orgânico que não tinha em Belém, tentou vendê-lo aos supermercados, mas teve resistência, e por conta disso, abriu a loja. “Os supermercadistas ainda não estão trabalhando de forma mais responsável em passar os benefícios dos produtos para as pessoas. Alimentos cheios de agrotóxicos e animais criados à base de hormônios são cheios de malefícios à saúde humana. As pessoas adoecem das mesmas doenças”, diz ela.
A nutricionista Cláudia Cruz explica que comer bem envolve uma completa mudança de hábitos, como tem alertado Jamie Oliver. “As pessoas precisam começar a pensar a questão mundial da obesidade, que vem crescendo inclusive no Brasil. É o primeiro passo para dar inicio às mudanças, como dar preferência a alimentos in natura e evitar alimentos ultraprocessados”.
Cláudia dá um exemplo simples. “O milho é o alimento in natura. Para ser vendido em latas, ele é processado, mas pode também servir para fazer um pacote de salgadinhos de milho, o que leva várias substancias químicas e faz dele um alimento ultraprocessado. Esses alimentos levam a doenças como obesidade e hipertensão, já que normalmente levam muito sal, muita gordura e outras substâncias químicas”, alerta. 
No pacote de hábitos para uma alimentação mais saudável, entram os alimentos orgânicos. A nutricionista esportiva Geovanna Costa explica que “são alimentos sem agrotóxicos ou que os têm em quantidades baixas, permitidas por lei”. E destaca os perigos de intoxicação por alimentos não-orgânicos. “As pessoas podem ter intoxicações agudas, que surgem e passam mais rapidamente, tendo sintomas como dor de cabeça, enjoo, subagudas, mas com mais frequência, porque esses agentes ficam retidos no nosso organismo, e crônicas, que podem apresentar sintomas mais tardiamente, e costumam estar aliadas a um consumo de anos de produtos com agrotóxicos, como a paralisia e o 
câncer”, alerta.
A nutricionista Carla Cruz destaca ainda a preocupação ambiental e função social dos produtores de alimentos orgânicos. “Além do benefício à saúde, são produzidos a partir da agricultura familiar, e deixam de lado a agricultura que deprecia o meio ambiente, uma monocultura, muitas vezes”. “Agrotóxicos fazem mal não só para a saúde, mas para o meio ambiente, eles podem ter consequências irreversíveis para ambos”, reforça Geovanna Costa.
(Lais Azevedo/Diário do Pará)